Para fazer boas viagens, principalmente as de ecoturismo, é muito importante pensar na questão da segurança. Escolher um destino que tenha uma ótima infraestrutura e que respeite a legislação é essencial, de maneira que o passeio ofereça conforto a todos os membros da família sem que haja qualquer risco de acidentes.

A fim de ajudá-lo a pensar em detalhes referentes à segurança em viagem, preparamos este guia completo sobre quais fatores precisam ser observados para garantir um passeio divertido e seguro para toda a família.

Aprenda também a escolher a hospedagem e os passeios ideais, bem como quais são as obrigações das empresas do ramo e quais são as melhores práticas de segurança para esses casos. Preparado para saber mais sobre o tema? Continue a leitura deste artigo e confira as informações que temos para você.

Importância da segurança em viagem

Não importa qual é o estilo de viagem, seja sozinho, seja com amigos ou a família, pensar na segurança é importante para garantir que o passeio traga apenas boas lembranças. Quando viajamos, estamos mais sujeitos a encontrar lugares e pessoas novas, o que é um dos grandes benefícios de conhecer o mundo.

Viajar ajuda a expandir o horizonte, a entender a vida a partir de várias perspectivas e a se tornar uma pessoa e um profissional mais completo. Quanto mais se vê, mais se consegue compreender a complexidade da vida e mudá-la para melhor. Afinal, como já dizia Cervantes, o famoso escritor espanhol que viveu nos séculos XV e XVI, ” andar por terras distantes e conversar com diversas pessoas torna os homens ponderados”.

Contudo, se há inúmeras vantagens em viajar, também é preciso ficar atento ao fato de que ir a um território novo carrega consigo a necessidade de certos cuidados específicos para evitar problemas. Dito isso, quais são as dicas práticas para minimizar os riscos de acidente e fazer com que a viagem seja a mais tranquila possível?

O primeiro passo é entender que o planejamento é essencial para assegurar o bem-estar de todos os envolvidos. É preciso fazer uma relação de quem fará a viagem e conhecer o maior número de informações possíveis sobre a cidade e os passeios que se pretende vivenciar.

Outro questão importante é conhecer bem a legislação sobre a segurança em viagens, principalmente aquelas relacionadas ao ecoturismo. Assim, fica mais fácil entender quais são seus direitos enquanto consumidor e exigir o tratamento adequado por parte das empresas. Acompanhe algumas informações relevantes sobre o tema no tópico abaixo.

seguranca-em-viagem-de-ecoturismoLegislação relacionada à segurança em viagens de ecoturismo

A Lei n.º 11.771/2008, conhecida como a Lei Geral do Turismo, assegura que as empresas têm o dever de alertar o turista sobre como usar os equipamentos de maneira segura e como preservar o meio ambiente durante a realização de uma atividade. Essas empresas também precisam dizer quais são os riscos envolvidos, como usar instrumentos para prestação de primeiros socorros e solicitar aos consumidores a assinatura de documento que ateste a ciência de tais fatos.

Associado à legislação, o Ministério do Turismo lançou um relatório em 2005 sobre a regulamentação, a normalização e a certificação do turismo de aventura no Brasil. O objetivo do documento é incentivar a autenticação de empresas que atuam no setor, bem como a implementação do chamado sistema de gestão de segurança e o fornecimento de informações essenciais para os turistas.

Cumprir tais metas é importante para que o Brasil possa se profissionalizar no que se refere ao turismo de aventura, de maneira a conseguir se inserir de forma consolidada também no mercado internacional. De acordo com o relatório, o controle do setor do turismo de aventura no Brasil passa pelas normas técnicas, pelos regulamentos e pela certificação. Veja, a seguir, a diferença entre cada uma dessas iniciativas.

Normas técnicas

Trata-se de documentos que definem regras, diretrizes e características para as atividades de um setor. As normas precisam ser estabelecidas por consenso e devem ser aprovadas por um órgão reconhecido na área.

Além disso, elas não têm carácter obrigatório e se caracterizam por serem, mais especificamente, uma auto-regulação da sociedade. Um exemplo de norma técnica que é importante para o controle e a qualidade do turismo de aventura no Brasil é o ISO 21101, que reúne o que há de mais avançado nesse campo.

ISO 21101

Quando uma empresa consegue esse selo, ela atesta ao público sua capacidade de oferecer segurança em ecoturismo segundo o que há de mais moderno e profissional para o setor no Brasil. O ISO 21101 também é referência internacional, o que demonstra sua seriedade.

A norma avalia a segurança e a qualidade dos serviços, assim como toda a cadeia de profissionais envolvidos, dos fornecedores e guias turísticos aos demais funcionários. Além disso, os equipamentos também passam por checagens. Alguns exemplos de procedimentos estabelecidos pela norma se referem à maneira como é feita a manutenção de trilhas, a capacitação de condutores e o uso de alguns instrumentos.

No Brasil, são poucas as empresas que têm o selo, a exemplo da Nascente Azul, complexo turístico que oferece em Bonito, no Mato Grosso do Sul, atividades como flutuação, mergulho e passeio em trilhas.

Como as normas não têm caráter obrigatório, as empresas que as adotam demonstram compromisso com a segurança e a satisfação do cliente. Assim, procurar pelo ISO 21101 é uma forma simples de ver quais negócios oferecem serviços dentro de padrões internacionais de qualidade.

E lembre-se: embora a responsabilidade das agências de turismo se restrinjam à comercialização, elas atuam como coparticipantes das empresas responsáveis pelo atrativo ou atividade de turismo ecológico. Assim, procurar por agências que apresentem certificados de qualidade é um diferencial que ajuda a oferecer o melhor a você e a seus familiares.

seguranca-em-viagem-de-ecoturismo-bonito-msRegulamentos técnicos

Ao contrário das normas, os regulamentos técnicos têm poder legal e, portanto, o não cumprimento deles fere a legislação. A regulamentação é emitida por autoridade nacional, seja ela em nível federal, seja nas esferas estaduais e municipais. Os regulamentos podem tratar de produtos, processos, serviços e métodos de produção.

Certificação

A certificação é um recurso utilizado por empresas para comprovar a veracidade de informações relacionadas a produtos ou serviços, bem como forma de se diferenciar no mercado e conquistar novos clientes. Nesse processo, um órgão autorizado avalia um produto ou serviço e atesta se ele está ou não de acordo com os requisitos.

Como são esses recursos os que ajudam a garantir a segurança em viagem no que se refere ao turismo de aventura, é importante buscar por empresas que facilitem o acesso a essas informações. Assim, perguntar às empresas como elas adotam e põem em prática as normas, regulamentos e certificações do setor, ajuda a descobrir quais delas são sérias, garantindo a segurança em viagem para toda a família.

Obrigações da empresa de turismo com relação à segurança dos turistas

Além de entender, de maneira geral, como o controle do setor é feito, uma boa dica é saber quais são as obrigações básicas que uma empresa de turismo tem perante o consumidor. É importante lembrar que a prestadora de serviço não pode se ausentar de oferecer os equipamentos de segurança necessários para a realização de uma atividade, como capacetes e coletes.

Entretanto, o consumidor assume riscos ao agir de maneira irresponsável nos casos em que a empresa não precisa se responsabilizar pela sua segurança — como ao realizar atividades que não foram indicadas por ela durante o passeio. Um exemplo disso é quando o cliente maior de idade assume o risco de atravessar um rio sob correnteza forte, ainda que tenha sido aconselhado pela organização a não fazer isso.

É pensando nesses casos que as empresas costumam solicitar que os clientes assinem termos de isenção de responsabilidade. No entanto, esse documento não pode eximir de nenhuma maneira o compromisso que a instituição deve ter de prezar a segurança dos turistas.

Assim, para não enfrentar problemas e ter certeza do que se pode ou não fazer, o mais indicado é conversar com a prestadora de serviços sobre quais são as responsabilidades dela. Quanto mais transparente sobre o tema a empresa for, mais profissional e confiável ela é.

Além do mais, é importante estar atento à formalidade da instituição, sobretudo porque há no mercado muitas organizações que, apesar de terem sites ou redes sociais, não são legalmente estabelecidas. Por isso, antes de fechar uma contratação, pergunte-se:

  • qual é a reputação da empresa no ambiente online?
  • O site tem uma página eficiente de serviço ao consumidor?
  • Há formas eficientes de contactar a empresa a partir de e-mails, telefones e outros meios de comunicação?
  • A resposta às minhas demandas é feita de maneira célere e eficaz?
  • A empresa fornece informações consistentes sobre os seus serviços?
  • Conheço alguém que já foi cliente? Posso obter informações com essa pessoa?

Durante o passeio, observe também se os guias parecem ter treinamento para estar ali e veja se eles carregam consigo kits de primeiros socorros. Você também pode perguntá-los se a empresa tem algum protocolo em caso de acidentes.

Em relação ao seguro, essas prestadoras de serviço são obrigadas a oferecê-lo, mas fica a critério do cliente adquiri-lo. Vale lembrar também que, se a organização é apenas uma intermediaria que vende pacotes de uma outra empresa, ainda assim, ela pode ser responsabilizada por eventuais acidentes, assim como toda instituição que fizer parte da cadeia de fornecimento do serviço.

Outro detalhe essencial é escolher o seguro certo. Nesse aspecto, a prestadora de serviço de turismo também precisa ajudar, mostrando quais são as coberturas disponíveis, explicando detalhadamente o que cada opção cobre e como ela atende ou não à atividade ou viagem selecionada.

E lembre-se de que se um consumidor adquirir um plano aquém do que é necessário para efetivamente se proteger por falta de informação, a empresa pode ser responsabilizada em casos de acidente.

Todas essas informações demonstram que essas instituições têm um papel preponderante para a realização segura e adequada do turismo ecológico e de aventura. Por isso, além de pesquisar a fundo sobre o seu destino, não se esqueça de pesquisar por empresas que ofereçam ampla informação sobre o tema e que respeitem você enquanto consumidor.

Fatores de segurança em viagem de ecoturismo

Agora que já entendemos como a legislação e outras normas atuam sobre o setor e como as empresas de turismo podem ajudá-lo a ter uma viagem livre de acidentes, que tal compreender quais outros fatores avaliar antes de comprar as passagens rumo a destinos de ecoturismo?

Aqui, você saberá como pesquisar atentamente quesitos como transporte, hospedagem, região e passeio pode ser essencial. Acompanhe.

Transporte

Pensar na segurança em viagem já começa no momento em que você sai de casa. O melhor é procurar empresas de transporte com boa reputação, mas se você for viajar dirigindo um carro, algumas dicas específicas podem ajudar, e a primeira delas é visitar o mecânico e solicitar um check-up do veículo.

Assim, é possível conferir se partes importantes do carro, como freios, para-brisa, sistema elétrico e lanternas, estão em pleno funcionamento. Além disso, é necessário se lembrar da regra número um de segurança quando o assunto é viajar de carro: colocar o cinto é essencial para evitar acidentes graves.

Outro detalhe importante é estudar o trajeto e as condições de tempo do dia em que você for dirigir. Levar consigo o kit de segurança — e saber usá-lo se necessário —, bem como pensar em acomodações especiais para crianças e animais domésticos, também garante mais tranquilidade durante a viagem.

De resto, é só ficar atento ao excesso de peso e aos objetos soltos no veículo, fazer o seguro do carro e garantir que a viagem conte com paradas regulares, de maneira que o motorista e os passageiros possam descansar.

Hospedagem

O próprio hotel pode oferecer riscos às pessoas que farão uma viagem em grupo, principalmente se elas forem idosas. Por isso, é importante estar atento à infraestrutura do local na hora de escolher a hospedagem e informar aos responsáveis caso existam no seu grupo pessoas com qualquer tipo de dificuldade de percepção ou locomoção.

Assim, pesquise a estrutura do local e verifique se há muitas escadas ou banheiros acessíveis, por exemplo.

Região

Também é importante conhecer um pouco sobre a cidade na qual você estará. Descubra na internet, e até mesmo com os moradores locais quando já estiver por lá, quais lugares são seguros e a que horas. Além disso, é essencial saber como acessar de maneira prática as estruturas hospitalares da região.

Por isso, veja onde está o centro de saúde mais próximo da sua hospedagem, registre o telefone e o endereço do lugar e mantenha essas informações sempre consigo enquanto estiver viajando. Essa atitude é especialmente importante para quem viaja com crianças, já que elas são mais suscetíveis a problemas devido a mudanças de temperatura ou de alimentação, por exemplo.

Viagem internacional

Se o destino for um outro país, vale a pena pesquisar informações sobre as condições climáticas e políticas do local antes mesmo de comprar as passagens. A maneira mais segura de obter esse tipo de informação é por meio de visita à página web do Portal Consular do Ministério das Relações Exteriores. Lá, basta buscar pelo tópico “Antes de Viajar” e procurar informações sobre o seu destino.

Outra questão importante a ser pensada nesses casos se refere à documentação de entrada exigida no país. Em muitos casos, é necessário providenciar passaporte e visto. Além de resguardar-se do ponto de vista legal, lembre-se também de anotar os endereços das embaixadas e consulados locais para aumentar a sua segurança.

A estratégia é boa porque ficamos mais vulneráveis quando estamos no exterior. Por isso, saber onde encontrar órgãos brasileiros pode ser fundamental em momentos decisivos. Além disso, não se esqueça de comprar o seguro de viagem mais adequado ao seu caso e fazê-lo por meio de uma agência de reputação ilibada.

Ter o seguro pode evitar o agravamento de problemas e o gasto excessivo com medicamentos ou serviço médico. Sobre o tema, é essencial lembrar também que cada país conta com um sistema de saúde específico e que nem sempre oferece o acesso gratuito a medicamentos e atendimento.

Para finalizar, não se esqueça de pesquisar quais vacinas é necessário tomar antes de viajar. A comprovação de vacinação pode ser um requisito para a permissão de entrada em um país, bem como tem o potencial de evitar não só a sua proteção como também a de toda a sociedade.

Passeio

Antes de fazer o passeio em si, lembre-se de pesquisar a infraestrutura do local e também de informar aos responsáveis se há alguém com você com algum tipo de limitação. Com idosos ou crianças, o melhor é evitar regiões com escadas de degraus altos ou pisos derrapantes.

Avalie também se o lugar tem condições de oferecer um guia experiente e preparado para lidar com essas faixas etárias. Em seguida, converse com a agência sobre os programas que quer fazer e aceite orientações caso seja necessário adaptar suas propostas às limitações dos participantes.

Cuidados importantes em uma viagem de ecoturismo

Para desfrutar das muitas opções de ecoturismo no Brasil, é recomendável adotar alguns cuidados que, além de garantirem a segurança, também podem ajudar a preservar a natureza. Montar de maneira adequada as malas para viagem, por exemplo, é uma atitude essencial que muita gente costuma menosprezar.

Uma boa dica sobre o tema é reduzir a quantidade de embalagens a serem levadas. Assim, diminui-se o peso e a dificuldade de locomoção, o que é importante principalmente se você for fazer trilhas. Levar protetor solar que não se dissolva na água também faz a diferença, de maneira que você possa cuidar da pele sem prejudicar os bichos e as plantas que vivem em ambiente aquático.

Além do mais, colocar na mala roupa de cores neutras é outro detalhe simples que ajuda a não afugentar os animais em seu habitat. Falando neles, lembre-se também de respeitá-los quando estiver em contato com a natureza. Por isso, evite fazer muito barulho ou aproximar-se demais. Além de evitar reações hostis, isso diminui o estresse dos bichinhos.

Deixar comida para animais selvagens também deve ser evitado, pois isso pode atrair predadores ou prejudicar a dieta natural dos bichos. Associado a isso, não jogue lixo na natureza durante os seus passeios, pois essa é uma prática essencial ao ecoturismo que, em última instância, também tem a ver com a minimização de acidentes. Afinal de contas, jogar restos inflamáveis, como bitucas de cigarro, pode provocar incêndios.

Por último, tente acompanhar as pessoas se estiver em grupo. Caso prefira ir sozinho em passeios que permitam isso, não se esqueça de avisar a alguém próximo sobre seu trajeto e horário previsto de retorno, além de levar consigo agasalho, água, comida, lanterna e estojo de primeiros socorros.

Vale lembrar que fazer esse tipo de passeio desacompanhado demanda segurança e atenção redobradas. Além disso, a prática não é recomendada por especialistas.

Melhores práticas de segurança para viagens

Além dos cuidados citados acima, a melhor prática a ser adotada é sempre respeitar os seus limites. Segundo dados do relatório de 2005 do Ministério do Turismo, a maioria dos acidentes ocorrem não devido à prática de esportes radicais, mas por causa de descuidos simples e pela falta de autopercepção apropriada sobre a capacidade física do indivíduo.

A maioria das mortes, por exemplo, acontece com pessoas que ficaram perdidas durante alguma atividade. A falta de equipamento adequado e a pouca capacidade de orientação no espaço são os motivos preponderantes para os óbitos, muitas vezes derivados de fratura, fome, desidratação e hipotermia.

Assim, conhecer e planejar bem o trajeto, bem como contar com a orientação especializada de pessoas aptas a acompanhar atividades de aventura é essencial. Ao mesmo tempo, só você sabe os seus limites. Por isso, é necessário estar atento a qualquer sinal que o organismo der e ir só até onde o seu corpo e sua mente estão preparados naquela ocasião.

Como vimos, garantir a segurança em viagem passa pelo planejamento e pela atenção a muitos detalhes, como conhecimento geral sobre o que diz a legislação e outras normas sobre o setor, bem como saber o que se pode esperar das empresas de turismo.

Além do mais, é preciso dar preferência a instituições que respeitem os regulamentos vigentes e apresentem diferenciais no quesito segurança e acesso à informação. Quanto mais você se informar sobre o tema, mais fácil ficará para escolher a opção mais segura para você.

Associado a isso, é importante pensar em aspectos práticos, como o que levar na mala, o que pesquisar sobre o destino e que atividades de aventura estão de acordo com a sua capacidade física. Assim, fica mais fácil conquistar a segurança em viagem que você e a sua família merecem.

Gostou do conteúdo? Assine nossa newsletter e não perca nenhuma de nossas novidades!